Poemas à Minha Avó123456789101112161314171815[4]

quando se ama, tudo já está perdoado
quando se ama, a memória não guarda rancor

o meu coração está limpo para contigo

o passado traz lembranças simples
natais e chocolates
pinheiros e gatos
em caminhos estreitos e escadas

o passado traz bolsas de riso
o passado traz muitas tardes
de café às duas e janta às cinco

eu diria que esse tempo não está morto
é imorredouro
que os cristais ainda brilham nas estantes
que as vozes ainda podem ser ouvidas
sons que a alma não esquece

quando se ama, passado e presente
dançam juntos
a dor e a mágoa procuram outras portas
porque o amor é por natureza obeso
ocupa todo o espaço
por Johnny Virgilpara Maria Virgil
Desenvolvido por Johnny Virgil.AnteriorPróximoVersão para impressão